segunda-feira, março 13, 2006

Bailado de Olga Roriz

Nos melhores momentos, que foram muitos, o bailado de Olga Roriz conseguiu, este sábado à noite, mapear, de uma forma crua e com uma cor e textura de carne viva, muitos dos caminhos, e dos vazios, que estamos condenados a percorrer entre o sexo, a paixão e o amor. Uma “chef de cozinha” que trabalha o menu desde o matar do animal no matadouro até ao servir do vinho à mesa.
Um trabalho, intenso, concentrado, físico, quente, cru, nu e honesto.



Victoria Reynolds

5 comentários:

Caiê disse...

é tão difícil falar sobre dança como falar sobre amor... isto é que foi um post corajoso!

Rui Coutinho disse...

Também gostei. No entanto, apetece--me dizer que "há mais vida para além do défice"...

TóZé disse...

e há mais défict para além da vida...

Anónimo disse...

This is very interesting site... » »

Anónimo disse...

O difícil do decifrar a dança, está nas entrelinhas desses mesmos detalhes nunca vistos. Aquele que vê para além do adormecido estará numa rota diferente e menos acompanhado!