quarta-feira, fevereiro 01, 2006

Croniqueta II ou o Fífia pensa que é grande



A raiz do seu pensamento é “dito-dito”, traduzindo-se em “dito-feito” como se ao “dito-sabido” fosse proibida a vinda. Que vergonha. A verdade coxeia, não faz mal. O Fífia bem traçado não desanima. Para ele o verbo sujeitar não transita. É sujeito, sujeitado e entra na “sujeitice”, porque sujeitando-se assim acaba em Sujeitinho. Isso é que conta. Escondidinho.
Não interessa concordância, debate, quiçá conversa, tudo se faz por esquema, letra, projecção… Não sabe o Fífia, a concordância entre o diminutivo e o infinitivo; não quer o Fífia fazer boas rimas, interpoladas ou cruzadas. O Fífia risca. O Fífia arrisca e erra sempre. É Fífia.
Diante de tal acrobata, escritor de cartilha e lápis roubado ao patrono, eu pasmo. Não sei que lhe dizer, quando em ataques de fúria, se enche de uma falsa falta de ar, semi-cerra os olhos e começa a deambular de calinada em calinada, rompendo folhas, tentando levantar um voo, para o qual não tem, sequer, peso. Problemático, o Fífia escreve para os jornais. Desfia inventários, betoniza obras, sacraliza pessoas e, como bom Fífia que é, engana-se sempre. Perde-se num jogo vírgulas, tentando mostrar-se cultural, qualquer coisa “al” para parecer que é mais que um palito de esponja que verga conforme se lhe dá o vento. É um lamento. Parece às vezes que quer ser ode ou qualquer coisa que acorde o mal que lhe vai por dentro, uma epístola, um ziguezague de palavras que o espevitem, que o façam ter uma ideia, que seja mais que um boato. Mas o Fífia não consegue. Tem tudo escrito na sua “bíblia”; tem informadores, diz ele, que vivem asfixiados, que não respiram, que estão quase morrendo, coitados… A sua função é salvá-los e sujeitar-se à coisa de ser sujeitinho de sapatos bem polidos e biqueira do tamanho do arquipélago. Chega. O Fífia é um enganado. Uma sugestão pela metade. Uma aposta vencida.
Porém, o Fífia pensa que é grande, o que é muito mau e que os outros são todos tolos, com excepção, claro, dos que estão ao seu lado, os “calinadas”.
Recomenda-se visita ao resto do mundo, vistas largas e ar para que, de uma vez por todas, transite do peso da nuvem ao lado de lá, onde estão as pessoas. Fazê-lo é, não só uma exigência, do Tempo, como também, uma forma de, finalmente, mostrar a todos que está aqui, em trânsito, o que quer dizer, simplesmente, que se vai começar a mexer, medindo o que diz com o como diz...
Vamos a ver se é em Fevereiro que "Fífiazinho" acaba por tomar esta opção. Por mim, estou um bocadinho cansada de tanta acção intransitiva e inconsequente. Chega de cassetes riscadas.

1 comentário:

Anónimo disse...

Cool blog, interesting information... Keep it UP film editing classes