domingo, maio 01, 2005

Dia da Mãe

Hoje celebra-se o dia da mãe.
Apesar de o festejarmos (sempre!) a 8 de Dezembro deixo aqui um dos poemas mais bonitos que conheço sobre as "mães". A minha é uma fofa (de frio).

Por que Deus permite
Que as mães se vão embora?
Mãe não tem limite,
É tempo sem hora,
Luz que não apaga
Quando sopra o vento
E chuva desaba,
Veludo escondido
Na pele enrugada,
Água pura, ar puro,
Puro pensamento.
Morrer acontece
Com o que é breve e passa
Sem deixar vestígio.

Mãe, na sua graça,
É eternidade!
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
De tirá-la um dia?

Fosse eu Rei do mundo,
Baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
Mãe ficará sempre
Junto do seu filho
E ele, velho embora,
Será pequenino
Feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade

5 comentários:

Zonim disse...

Bonito! Feliz Dia da Mae...

Caiê disse...

Custa aceitar, realmente, que a "mãe" desapareça, sobretudo quando ela sofre antes de desaparecer. E a ñós custa-nos saber que nunca mais a veremos... :(

frosado disse...

felizes os que ainda têm mãe para festejar o dia.

Rui Coutinho disse...

Ah Filha da Mãe!

Anónimo disse...

best regards, nice info »